Sunday, October 28, 2007

Alusão

“Quer saber como eu sou para me aceitar? Vou me fazer conhecer melhor por você. (...) Olhe, tenho uma alma muito prolixa e uso poucas palavras. Sou irritável e firo facilmente. Também sou muito calmo e perdôo logo. Não esqueço nunca. Mas há poucas coisas de que eu me lembre. Sou paciente mas profundamente colérico, como a maioria dos pacientes. As pessoas nunca me irritam mesmo, certamente porque eu as perdôo de antemão. Gosto muito das pessoas por egoísmo: é que elas se parecem no fundo comigo. Nunca esqueço uma ofensa, o que é uma verdade, mas como pode ser verdade, se as ofensas saem de minha cabeça como se nunca nela tivessem entrado? (...) Tenho uma paz profunda (...) somente porque ela é profunda e não pode ser sequer atingida por mim mesmo. Se fosse alcançável por mim, eu não teria um minuto de paz. Quanto à minha paz superficial, ela é uma alusão à verdadeira paz. Outra coisa que esqueci é que há outra alusão em mim – a do mundo grande e aberto. (...) apesar do meu ar duro, sou cheio de muito amor e é isso que certamente me dá uma grandeza, essa grandeza que você percebe e de que tem medo.”

[lispector - um aprendizado ou o livro dos prazeres]

Labels:

2:

Anonymous Carlinhos said...

Linda!

7:01 PM  
Blogger Link said...

Una gota de sangre en MTV
Un cadáver conectado a internet
Mona Lisa llorando en el jardín
Un lícor de Cianuro, muera el futuro
pasado mañana es ayer...

La soledad es la ecuación de la vida moderna

12:44 AM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home